terça-feira, 5 de setembro de 2017

Te perdi, deixa lá

De tanto de tentar encontrar te perdi.
Não sei onde, não posso ir procurar por ti.
Estavas sempre comigo, nos meus pensamentos, nas minhas caminhadas.
Dei-te a conhecer o mundo, não digas que és pouco viajado.
E agora até te dei uma nova morada.
Quiçá, Sagrada.
Me lembrei que não lembrava há muito de ti e percebi. Deixaste de cá estar.
Sem querer, sem saber, sem contar.
Te perdi.
Estavas em cada canção, em cada cena de filme, em cada poema, em cada sonho a dormir e acordado.
Pedi ajuda a Pai de Santo, a Shiva, a Santa Rita, a Buda, a Iemanjá.
Não adiantava, não desaparecias, estavas sempre lá.
E agora que deixei de te procurar, te perdi.
Não sei onde, não posso ir procurar por ti.
Deixa lá.