terça-feira, 11 de outubro de 2011

Midnight in Paris (pequeno texto crítico)


Pareço ser das poucas pessoas que não gostou do novo filme de Woody Allen. Eu acho que se o filme fosse assinado por uma qualquer realizador estranho e não Woody Allen, muitas das opiniões positivas que se levantaram seriam diferentes (mas é apenas uma suposição). Eu achei o filme fraco, bastante fraco. A ideia não é propriamente nova e também não é executada da melhor forma. Os actores parecem desmotivados, Owen Wilson como alter Ego do próprio Allen não convence pois se o copia em demasiado em determinados movimentos ou expressões, falha no comportamento que tem perante os seus "heróis do passado". Estas mesmas figuras estão representadas de uma forma excessivamente estereotipada o que faz com o que o filme perca ainda mais credibilidade. É dificil que um filme que caia na fantasia como este consiga sustentar o seu argumento. Inverossimilhança e anacronismos só passam impunes em filmes extremamente bem estruturados como é o caso de Inglorious Basterds, brilhante filme de Tarantino. Neste caso, nem pondo o filme no género Allen a coisa se safa, porque o nome do Woody Allen não se fez de filmes como os da última década e creio que caiu num facilitismo desnecessário. O autor não parecia estar inspirado aquando da escrita do argumento e realização deste filme, o que transparece nas personagens, o que transparece nos actores. Aquele núcleo da noiva de Gil é absolutamente plano, sem que uma personagem com algum relevo surja para salvar o filme. Tenho de admitir que gostei mais de "You will meet a tall dark stranger". Era menos pretencioso, logo menos decepcionante...

Nota 12

10 comentários:

xana disse...

Gostei desta crítica e não tenho duvidas que vou achar algo do género!! No entanto, não duvido que o cenário faça valer a pena o esforço monetário que é - hoje em dia - ir ao cinema. Right?

Beijinhos

Raquel Fernandes disse...

Obrigada Xana :) Claro que me fez ter saudades de Paris, tal como o Vicky Cristina me fez ter saudade de Barcelona mas nos dois casos julgo que a cidade é apresentada de forma muito "postal turistico" o que deverá ser propositado mas que não acontece por exemplo no caso dos filmes em Londres.

Lembro-me que na altura que saiu o Vicky Cristina Barcelona, os meus amigos espanhois odiaram o filme, principalmente os catalães. Acharam depreciativo. Eu sinceramente gostei :)

Psicoses de Sobra disse...

já o woody considera que o wilson se afastou bastante da forma como o woody interpretaria o papel. São sempre percepções claramente.

Raquel Fernandes disse...

Claro, uma das coisas mais claras em cinema é que de facto gostos não de discutem, é uma regra que já não compro. Tenho noção que muita gente gostou genuinamente do filme como outros odiaram filmes que eu acho brilhantes. Eu também acho que Wilson se afastou de Woody mas de uma forma um pouco estranha. Não sei bem explicar, mas não me entranhou.

Página ao Lado disse...

gostei muito do filme! (:

http://paginaaolado.blogspot.com

Here You Can Find Anything disse...

Tenho de ver este filme!

Não sou grande fã do Woody Allen, acho mesmo que o único que gostei foi do Match Point.

http://hereyoucanfindanything.blogspot.com/

pin girl disse...

Completamente de acordo, Raquel! :)

Podes ser das 'poucas' pessoas que achou o filme fraquinho mas fico contente por, afinal de contas, eu não ser a única.

Ia precisamente agora escrever no meu blogue acerca do filme e andava à procura de uma imagem do poster quando, por mero acaso, descobri o teu blogue.

Parabéns, parece muito bem!
Cá voltarei.

O Ramalhete disse...

a abordagem à temática é claramente superficial e previsível. Tendo em conta que o Woody já explorou tão bem outros temas em Annie Hall e outros que tais, neste deixou claramente a desejar.

Raquel Fernandes disse...

E no entanto está nomeado para vários gloibos de ouro. Não entendo. Mesmo.

Cátia Margarida disse...

é bastante simples: o estatuto do woody.