sábado, 6 de agosto de 2011

Brothers & Sisters de todos nós...


Depois de Gilmore Girls, outra da minhas séries familiares de culto é cancelada. A notícia trouxe-me um amargo de boca mas recebi-a com a calma de saber que temos de deixar alguém partir. Ao longo de 5 temporadas os actores ficam cansados, a histórias gastas e por muito que ame a família Walker nada dura para sempre com o mesmo brilhantismo. E assim termina a série que provou que grandes nomes do cinema podem se tornar grandes nomes da televisão: Avé Sally Field e a sua Nora, uma das personagens mais brilhantes e devidamente galardoadas no mundo televisivo. Com ela tantos outros, Calista Flockhart, Balthazar Getty, o saudoso Rob Lowe...

Comecei a ver esta série por acaso num dia em que servi de baby-sitter da minha sobrinha mais velha. Apanhei apenas os 10 minutos finais de uma season Finale em que a filha de Tommy recém nascida corre riscos de vida. Creio que 1 minuto depois troquei de canal, pois tinha percebido logo que esta era uma série que ia adorar e não queria estragar com spoilers.

Devorei as primeiras temporadas e esperei lentamente a conta gotas que novos episódios saíssem. Tornou-se um culto. Não têm um tema mórbido como Sete Palmos de Terra mas são uma família igualmente acutilante. Não é uma série de comédia como Uma Família Moderna e no entanto arranca-nos gargalhadas com o mais refinado humor. Lágrimas? Muitas. E aí entra o que de principal e tão sedutor tem Brothers & Sisters. Esta série soa a qualquer pessoa como uma extensão da sua própria família. Todo e qualquer espectador já se reveu numa situação em Brothers & Sisters e se rendeu à forma politicamente incorrrecta como resolvem os seus problemas, ou não... Porque nenhuma família é perfeita e esta também não o era.

Quem não desejou estar num dos longos e problemáticos jantares que regados a vinho californiano são a imagem de marca da família. Quem não desejou puxar as orelhas a Justin ou ao Tommy quando eles andavam fora do trilho. Quem não se sentiu divido entre simpatia ou puro desdém pela personagem de Holly. Que mulher não sentiu borboletas na barriga ao assistir ao desenrolar do romance da Kitty com o Senador ou da Sarah com o seu amante francês. Quem não se enterneceu pelo amor entre o Kevin e o Scotty. Quem é que não sentiu por vezes um soco no estômago com situações familiares tão complexas e que nos faziam tanto lembrar de outras a que assistimos na primeira fila, desta toma sem ser através do ecrã da televisão. Eu sim...

Esta série terminou mas deixou em todos nós a que assistiam a sensação de que levámos um bocadinho deles porque no fundo eles eram irmãos e irmãs de todos nós. E porque o bom da vida é para guardar com saudade ainda podemos rever as últimas duas temporadas na Fox Life. Porque recordar... Vocês sabem.... Recordar é viver.

5 comentários:

Paula disse...

Não fazia ideia que a série tinha sido cancelada.
Cheguei a seguir a série, mas depois já nem sei porquê, deixei de ver a série e acabei por perder o fio à meada.
É pena, sim senhora...

Mike disse...

The Gilmore Girls! Ah... Que saudades! Raisparta as miúdas que têm de crescer... Lorelai, Lorelai...
Quando comecei a acompanhar os loucos diálogos entre todos (basicamente) fiquei doido pela série!

Esta vi-a pela primeira vez julgo que na RTP2!
Não acompanhei como outras séries, mas sempre que dava na TV, era ali que ficava.
O mais impressionante é que eram todos, mas todos, excelente actores!

lisbon new-yorker disse...

Realmente a Fox Life é das melhores coisinhas que já inventaram :)

beijinhos,
lisbon new-yorker

Ana disse...

Esta foi, sem dúvida, das melhores séries que já vi. Adorava aquela família com todas as suas contradições e incoerências. No fundo, eram isso mesmo, imperfeitos, e por isso tão reais.
Aqueles jantares onde todos se reuniam conseguiam ser hilariantes de tão desastrosos:)

Sahaisis disse...

Que engraçado, também são duas das minhas séries preferidas...;)