quarta-feira, 11 de abril de 2007

INLAND EMPIRE ou como arranjar uma enxaqueca por três horas



INLAND EMPIRE. Um filme. Um remake do filme. Los Angeles. Polonia. Laura Dern actriz, dona de casa, prostituta, assassina. Espectadores que sonham com os filmes que estão a ver. Actores que têm pesadelos com os filmes que estão a fazer. Luz, muita luz. Negro, muito negro. O mesmo telefone vermelho de Mulholland Drive, o mesmo toque, o mesmo tema: Cinema - Hollywood. Uma actriz que não consegue sair da personagem, um marido que não sabe lidar com os ciumes. Um realizador que que não sabe que filme está a realizar, três coelhos em lides domésticas. Vários McGuffins que vão do gira discos a remeter para o sexo ao candeeiro em forma de pódio. A disputa de várias personalidades por um só corpo. Vampirismos, pesadelos e apropriações. Nove prostitutas a dançarem o Locomotion. David Lynch ri. Ri com vontade.

3 comentários:

Johns1 disse...

É muito complicado fazer um comentário e uma análise a este filme pois existem diferentes perspectivas que variam de pessoa para pessoa, contudo não posso de deixar de concordar que no fim quem se divertiu foi o David ao causar aos espectadores uma imensa dor de cabeça!

Anónimo disse...

:)

Carlos Donas disse...

aliás....é ainda mais complicado fazer um comentario sobre este filme sem te-lo visto....mas andei ocupado!!!!!!no pixote e na queima!